árvore da Sacudidora de Palavras

a nuvem que eu te diria
que eu te daria
uma nuvem feliz
porque me fazes rir
e sempre estás a rir

uma nuvem
a mais feliz dos céus, amigo,
para ti
- de mim -
porque eu também
sacudo palavras
e a minha árvore
ninguém destrói
— ninguém —
é tua
é minha

até porque eu sou igual
à menina roubadora de livros
tenho de perguntar-te
se és tu
quando vejo o teu rosto
e — sim, sou eu —
és tu
antes que eu creia
quantas vezes me pergunto

foram das tuas faces
das tuas faces

o quê

a alma
da minha árvore

eu também
sou
A Sacudidora de Palavras

(Letícia Valle)

[Imagem: Macieira em Flor. Piet Mondrian (1912)]

Um comentário :

  1. a arte do poema está no fecho e este deve ser sempre de oiro. cuida dele como de um a flor e faz do teu poema um pequeno jardim

    ResponderExcluir