[RESENHA] Divergente - Veronica Roth


  Veronica Roth me conquistou com Divergente. Antes de lê-lo, não gostava do gênero distópico, confesso que sem ter lido nenhum livro assim.
  A cidade de Chicago vive, há muito tempo, num sistema de cinco facções, cada uma representando uma virtude. Todos os jovens de dezesseis anos passam por um teste de aptidão para saber em qual delas se encaixam e depois têm que escolher se ficarão na facção de origem ou mudarão de vida.

  Beatrice Prior nasceu na Abnegação, e admira seus valores, mas tem dúvidas quanto à sua vontade de continuar abrindo mão de si mesma pelos outros. Não sabe se é altruísta o bastante para fazer o que sempre lhe ensinaram, em vez de pensar uma única vez em alguma escolha sua.
  No dia de seu teste, descobre que há um motivo pelo qual ela sente que não pertence ao lugar de onde veio. Seu resultado não foi exato. Os Divergentes são pessoas que pensam de maneira diferente daqueles que valorizam somente uma destas cinco qualidades humanas: Audácia, Erudição, Franqueza, Amizade e Abnegação. São pessoas perigosas, porque ameaçam a paz. Ela é um deles.

“Olhar para mim mesma agora não é como me ver pela primeira vez; é como ver outra
pessoa pela primeira vez. Beatrice era uma garota que eu eventualmente via de relance no espelho e que se mantinha calada na mesa de jantar. A pessoa que vejo agora prende o meu olhar e se recusa a libertá-lo; esta é Tris.”

  A autora apresenta um mundo fascinante na nova Chicago, com uma narrativa fluida, romance e ação sem exageros, mostrando fielmente o que é um governo distópico. Quatro e Tris formam um par inesquecível. Outro dos meus personagens favoritos é Caleb, desde o começo, embora coadjuvante. Ao final, me fez rir e chorar um pouco.

“— Porque você é da Abnegação — explica ele — e é exatamente nos momentos em que você está agindo de maneira altruísta que você é mais corajosa.” 

  Ao contrário do que muitos leitores pensam, Divergente é muito diferente de Jogos Vorazes. A única similaridade entre ambos é a distopia, caracterizada por uma história passada no futuro na qual o foco é o poder tirânico, regendo uma sociedade que não pode ser liberta.
  Para quem quer começar a ler algo do gênero, é um livro absolutamente magnífico. Não vai se arrepender de mergulhar num mundo tão diferente e, embora impossível, escrito com brilhantismo.

Nossas mentes movem-se em dezenas de direções diferentes. Não podemos ficar confinados a uma única maneira de pensar, e isso apavora nossos líderes. Isso significa que não podemos ser controlados.”


Título Original: Divergent
Autora: Veronica Roth
Editora: Rocco
Tradução: Lucas Peterson 
Páginas: 504
Ano de Publicação: 2012
ISBN: 978-85-798-0131-0

Classificação: 





 

  

3 comentários :

  1. Oi, Lê!

    Também fiquei encantada por Divergente, a história é bem envolvente mesmo.
    Meu personagem favorito é o Quatro, desde o começo, rs. Espero que goste dos outros dois livros.

    Beijocas.
    http://artesaliteraria.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Rafa! Na verdade, eu já li os três, e adoro o Quatro também. :) Fico muito curiosa para saber o que aconteceu com ele no passado. Beijos!

      Excluir
  2. Ahh Divergente é tudo de bom, sou apaixonada pelos dois primeiros livros, ainda mais pelo segundo. É uma leitura muito contagiante, eu amei!

    Parabéns pela resenha, amei o blog.
    Dani Cruz
    http://blog-emcomum.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir