Shakespeare in Love (1998)


Joseph Fiennes as William Shakespeare

 Sonnet XVIII

Shall I compare thee to a summer's day?
Thou art more lovely and more temperate.
Rough winds do shake the darling buds of May,
And summer's lease hath all too short a date.

Sometime too hot the eye of heaven shines,
And often is his gold complexion dimmed;
And every fair from fair sometime declines,
By chance, or nature's changing course, untrimmed;

But thy eternal summer shall not fade,
Nor lose possession of that fair thou ow'st,
Nor shall death brag thou wand'rest in his shade,

When in eternal lines to Time thou grow'st.
     So long as men can breathe, or eyes can see,
     So long lives this, and this gives life to thee.

http://www.poets.org/viewmedia.php/prmMID/15555



Soneto XVIII

Posso te comparar a um belo dia estivo?
Bem mais suave e amena é a tua natureza;
Crestam ventos brutais de maio ou tenros brotos
E o baile do verão tem curta duração.

Às vezes, por demais ardente é a luz do sol,
Muitas vezes, porém, sua áurea tez se ofusca:
Toda beleza perde o seu fulgor um dia,
Quando a despoja a Sorte ou dos anos o curso.

Mas não murchará nunca o teu verão eterno,
Nem perderás jamais essa beleza tua;
Nem de em seu negror ver-te a Morte há de gabar-se,

Ao cresceres no tempo em meus versos eternos:
Enquanto vida houver e o olhar puder ver,
Meus versos viverão e te farão viver.

Shakespeare, William. Obra Completa. Vol. III. Reimpressão da 1ª edição. Rio de Janeiro: Editora Nova Aguilar, 1988. p. 823.



Nenhum comentário :

Postar um comentário