"Então... eu assisti a 50 Tons..." (Por Maria Eduarda Paschoal, do blog La Garota)

  Boa tarde, gente! 

  Hoje vim com algo diferente. Quem não sabe que a adaptação literária de 50 Tons de Cinza está em cartaz? Pois é. Todos querem assistir. Bem, todos menos algumas pessoas, eu inclusa na minoria que não quer (e que também não leu, nem se interessa). 

   Eu estava navegando no Twitter, quando de repente, por milagre, vejo um tweet da Maria Eduarda (@MarPaschoal), falando sua opinião sobre o filme, com toda a razão no que escreveu. De minha parte, quero que março chegue e acabe logo, porque não existe outro assunto na internet que não seja louvores ao filme e ao ator Jamie Dornan, que interpreta Christian Grey.


  Já tinha visto uma carta de uma psiquiatra em um site, pois eu só sabia o mínimo sobre a trilogia e a história. Depois de ler os conselhos da doutora, minha opinião piorou ainda mais e fiquei chocada.
  Confiram o texto da Mar abaixo.  

"Bem... está todo mundo comentando sobre, então, também irei comentar! Quem aqui assistiu ao sucesso de bilheteria "50 Tons de Cinza"? Acredito que muita gente já respondeu "Sim", mas, muita também respondeu "Não". Pois bem... O fato é que "O troço é realmente bom". Não "bom" do jeito que você imagina ou do jeito que eu esperava. Mas extremamente bom por outro lado!


Cenas do filme "50 Tons de Cinza"

Antes de ir assistir ao filme, meu namorado me mostrou um artigo escrito por uma psicóloga e psiquiatra extremamente interessante e que me fez refletir sobre a trama antes mesmo de assisti-la, coisa de doido, não? Pra quem não sabe, eu sou apaixonada por Psicologia, apesar de cursar Publicidade e Propaganda, mas, as duas áreas acabam se interligando! Então, tudo bem!

No artigo, a profissional escrevia sobre os telespectadores, principalmente do sexo feminino, quererem aquilo que passa no filme para suas vidas. Até aí, tudo bem!, quem nunca sonhou com um príncipe encantado que passou na Sessão da Tarde quando era adolescente, hein? Isso é extremamente natural. Natural quando se deseja algo que não é doentio! É aí que a reflexão da psicóloga/psquiatra entra.


Jamie Dornan no papel de Christian Grey
Na faculdade, em casa, na roda de amigos e até mesmo no trabalho estou ouvindo pessoas falarem sobre o filme. Mas falarem sobre o glamour e o jeito sexy da trama. Ouvi que queriam algo mais quente, oi?, também escutei frases desejando que protagonista fosse real, oi?.

Acontece que não enxerguei nada de glamour em "50 tons". Gostei dele por causa disso! Temos um protagonista doente, que foi abusado, fisicamente e mentalmente quando jovem e, como normalmente acontece, seu cérebro quer passar de "oprimido" para "opressor", aquela velha história que o senso comum repete realmente acontece na vida real! Oras... Não é que um estuprador tem altas chances de ter sido abusado em seu passado? 

Nosso Grey é um desses caras. Ele tem uma "sala de jogos" que não tem nada de sexy. Eu diria que tem algo de "macabro". Nosso Grey sente prazer quando causa a dor em outra pessoa, fazendo o mesmo que fizeram com ele. Nosso Grey, apesar de lindo e bilionário, não consegue amar, se envolver ou sentir algo além de prazer quando causa a dor em alguém. Como é que as pessoas querem uma pessoa dessas na vida real perto delas? Como é que esses telespectadores se apaixonaram por ele e não sentiram pena e quiseram levá-lo a um médico, um psicólogo? Não consigo entender como consegui ouvir mulheres ao meu lado desejando as situações de Steele para sua vida. Oi? Como vocês conseguem? Se puderem me responder...

Cena do filme "50 Tons de Cinza"

É importante ressaltar que eu não li a obra, apenas assisti ao filme. Então, conclusão a que cheguei foi a seguinte: O livro até pode ser erótico. Mas o filme NÃO É! Aquilo lá deveria ser classificado como thriller psicológico! Eu já li inúmeros thrillers e sei que estas obras provocam o mesmo sentimento que "50 Tons" provocou em mim! A adaptação é para se refletir e não para copiar em vida real. Achei o filme realmente muito bom, mas não como romance!"



   Para que vocês entendam o que a Maria Eduarda escreveu, disponho o post da psicóloga abaixo. Nenhuma mulher deve se enganar pensando que 50 Tons de Cinza é uma história de amor, porque nenhuma de nós sonha com um namorado ou marido que nos maltrate em vez de nos fazer feliz. Então, espero que as leitoras que puderem ler isso abram os olhos para a literatura que a E. L. James nos apresenta, literatura essa que não mostra um homem comum que procura amar uma mulher de verdade, e sim um adulto com problemas psicológicos por traumas na infância que sente prazer ao provocar dor em alguém, e uma protagonista ingênua que não percebe o problema em que se envolveu.



       A carta de uma psiquiatra sobre 50 Tons de Cinza para os jovens


Por Miriam Grossman 


     



Não há nada de cinza sobre os 50 tons de cinza. É tudo preto.

Deixe-me explicar.

Eu ajudo pessoas que estão quebradas por dentro. Ao contrário dos médicos que utilizam raios X ou exames de sangue para determinar por que alguém está com dor, as feridas que me interessam estão ocultas. Faço perguntas e ouço atentamente as respostas. É assim que eu descubro por que a pessoa na minha frente está "sangrando".
Anos de escuta atenta me ensinaram muito. Uma coisa que eu aprendi é que os jovens são totalmente confusos sobre o amor - para achá-lo e mantê-lo. Eles fazem escolhas erradas e acabam sofrendo muito.

Eu não quero que você sofra como as pessoas que vejo em meu escritório, por isso estou avisando sobre um novo filme chamado Cinquenta Tons de Cinza. Mesmo se você não ver o filme, sua mensagem tóxica está se infiltrando na nossa cultura e poderia plantar ideias perigosas em sua cabeça.

Cinquenta Tons de Cinza está sendo lançado no Dia dos Namorados, então você vai pensar que é um romance, mas não caia nessa. O filme é realmente sobre uma relação doentia e perigosa, preenchido com abuso físico e emocional. Parece glamouroso, porque os atores são lindos, têm carros caros e aviões, e Beyonce está cantando. Você pode concluir que Christian e Ana são legais e que seu relacionamento é aceitável.

Não se permita ser manipulado! As pessoas por trás do filme só querem o seu dinheiro; eles não se preocupam nem um pouco com você ou seus sonhos.

Abuso não é glamouroso ou legal. Nunca é OK, sob quaisquer circunstâncias.

Isto é o que você precisa saber sobre Cinquenta Tons de Cinza: Christian Grey foi terrivelmente negligenciado quando era uma criança. Ele está confuso sobre o amor, porque ele nunca experimentou a coisa real. Em sua mente, o amor está emaranhado com sentimentos ruins como dor e o constrangimento. Christian gosta de machucar mulheres de formas bizarras. Anastasia é uma menina imatura que se apaixona pelos olhares e pela riqueza de Christian, e tolamente segue seus desejos.

No mundo real essa história iria acabar mal, com Christian na cadeia e Ana em um abrigo - ou morgue. Ou Christian continuaria batendo em Ana, e ela sofreria como nunca. De qualquer maneira, as suas vidas não seriam um conto de fadas. Confie em mim.

Como médica, estou lhe pedindo: não assista Cinquenta Tons de Cinza. Se informe, conheça os fatos e explique aos seus amigos por que eles não devem assitir também.

Aqui estão algumas das ideias perigosas promovidas em Cinquenta Tons de Cinza:

  • 1. As meninas querem caras como Christian: Grosseiro e que mande nelas.



Não! Uma mulher psicologicamente saudável evita dor. Ela quer se sentir segura, respeitada e cuidada por um homem que ela pode confiar. Ela sonha com vestidos de casamento, não algemas.

  • 2. Homens querem uma garota como Anastasia: Calma e insegura.



Errado. Um homem psicologicamente saudável quer uma mulher que sabe se defender por si mesma. Ele quer uma mulher que o corrija quando ele sair da linha.

  • 3. Anastasia exerce livre escolha quando ela consente em ser machucada, então ninguém pode julgar a sua decisão.



Lógica falha. Claro, Anastasia tinha livre escolha - e ela escolheu mal. A decisão auto-destrutiva é uma má decisão.

  • 4. Anastasia faz escolhas sobre Christian de forma racional e distante.



Duvidoso. Christian constantemente serve Anastasia com álcool, prejudicando seu julgamento. Além disso, Anastasia se torna sexualmente ativa com Christian - sua primeira experiência - logo após conhecê-lo. O sexo é uma experiência poderosa - particularmente na primeira vez. Finalmente, Christian manipula Anastasia para assinar um acordo que a proíbe de falar a alguém que ele é um abusador. Álcool, sexo e manipulação - dificilmente seriam os ingredientes de uma decisão racional.

  • 5. Os problemas emocionais de Christian são curados pelo amor de Anastasia.



Apenas em um filme. No mundo real, Christian não mudaria de forma significativa. Se Anastasia quisesse ajudar pessoas emocionalmente perturbadas, ela deveria ter se tornado uma psiquiatra ou uma psicóloga.


A principal questão: as idéias de Cinquenta Tons de Cinza são perigosas e podem levar à confusão e más decisões sobre o amor. Existem grandes diferenças entre os relacionamentos saudáveis e não-saudáveis, mas o filme borra essas diferenças, de modo que você começa a se perguntar: o que é saudável em um relacionamento? O que é doentio? Há tantos tons de cinza ... Eu não tenho certeza.

Ouça, é da sua segurança e do seu futuro que estamos falando aqui. Não há margem para dúvidas: uma relação íntima que inclui violência, consensual ou não, é completamente inaceitável.

É preto e branco. Não existem tons de cinza aqui. Nem mesmo um.

Fonte: Megmeekermd traduzido e adaptado por Psiconlinews


http://www.psiconlinews.com/2015/02/a-carta-de-uma-psiquiatra-sobre.html


3 comentários :

  1. Melhor análise da obra que já li. Acho essa proposta de violência totalmente nojenta e isso me faz querer passar longe de qualquer coisa relacionada a 50 tons de cinza. Olhando por esse lado, percebo que as pessoas só percebem esse lado "pseudo-romântico-erótico" da obra e não reparam que ela deveria ser encarada como uma crítica.

    Mais uma vez, parabéns pelo conteúdo desse post.

    https://leitoresforever.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Menina, que post foi esse?
    Estou boquiaberta e pensando em como posso te parabenizar. Assisti ao filme, e nem sei se quero assistir os outros dois que estão por vir.
    Eu achei meio surreal sabe? Do nada o cara aparece em todos os lugares que a personagem está. Oi?
    Na sala de cinema da cidade em que fui assistir, eu escutei de tudo! Tudo mesmo! Realmente, s mulheres querem um cara como ele. E eu também fico me perguntando como que isso pode acontecer. É uma questão que na minha opinião, elas estão vendo apenas o quanto o rapaz do filme é bonito " e com um ar sexy" e esquecem no que ele propôs lá no começo: um contrato!
    Enfim, post genial.

    Beijos
    Laís Happel - Blog Carolice
    http://www.carolice.com/

    ResponderExcluir
  3. O livro tem suas falhas, mas se as mulheres acham essa magia toda é porque são mais ingênuas que Anastasia Steele.
    Não foi abordado no post que a Ana em um determinado momento desiste de tudo, ela o dispensa. Ela não é estúpida até ao final.

    O filme mostra a atração que ela não pode conter a princípio, mas ao final ela mostra seus valores.

    Acho que para mulheres ADULTAS isso seria apenas um filme, um entretenimento. O que realmente ele é.
    O filme é machista e clichê, mas devemos lembrar que foi inspirado por um filme imaturo de vampiros e adaptado ao sadomasoquismo.

    Ana apesar de se deixar iludir se rebela.
    Entendo as opiniões. Até porque a violência contra as mulheres é muito comum e assustadoramente grande.

    No entanto deve-se levar em conta que Ana permite porque causa prazer e só desiste quando ela constata que não vai passar daquilo e que realmente ele tem problemas.

    No mundo real, não dá para aceitar, com toda certeza, porém isso tudo aí é pura ficção.
    E mais uma vez Ana não admite mais ser subjugada.

    Minha opinião. No mais achei bem interessante o debate, gostei bastante.
    Bjs

    ResponderExcluir