Gabriel García Márquez (II)

regata de moliceiros, murtosa, bico, 2007
um presente para gabo 

guardei-te um momento
longe de tudo
o que te era familiar
queria-o assim
único
presente de um passado
em que te habitei sem o saberes
em que fui outro só porque
te conheci sem que me conhecesses
eu era apenas mais um
de entre todos os que para ti
eram o mundo
hoje continuo a ser teu habitante
quando tu já não te sentas na cadeira do costume
com os amigos de sempre
porque partiste
para lado algum
partiste
só isso
abraço-te agora como nunca
por dentro das palavras que deixaste
para mim não partiste
pela simples razão que sempre te tive
como te tenho hoje
embrulhado em palavras mágicas
são para ti estes barcos
gabo
navega com eles e sê onde
encontramo-nos por aí
(António José Cravo)
18 de Abril de 2014.

Um comentário :

  1. bonito poema
    eu tenho problema para entender poemas, ou seria preguiça? mas acho gostoso de ler, rs
    beijos
    http://meumundinhoficticio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir